Volkswagen registra a Tarok para competir com a Fiat Toro

A Wolkswagen registrou a Tarok no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) e o novo modelo será o principal concorrente do utilitário Fiat Toro, que está praticamente sozinho nesse segmento do mercado.

Tarok é registrado pela Wolkswagen no INPI e novo modelo promete forte concorrência à Fiat Toro .

Mais um capítulo da disputa mercadológica entre a montadora alemã, Wolkswagen, e a empresa italiana, Fiat, já agita fortemente o mercado automobilístico no país e no mundo. A Wolks consolidou o registro no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) do desenho/design da picape Tarok, que será a grande concorrente da caminhonete Fiat Toro.

A Tarok, há algum tempo, é uma das prioridades da marca alemã, que vinha trabalhando no desenvolvimento do automóvel visando a um enfrentamento de mercado com a Fiat nessa importante categoria.

Vale ressaltar que a Tarok já estava movimentando a disputa entre as montadoras desde o lançamento do conceito (concept-car) da picape, ainda em 2018, no Salão do Automóvel de São Paulo.

Nesse evento internacional da indústria automobilística, executivos da Wolkswagen do Brasil afirmaram que a nova picape estaria com 80% do design concluído. O protótipo também foi apresentado no Salão de Nova York (Estados Unidos) e, posteriormente, no salão de Frankfurt (Alemanha).

O registro no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) é apenas mais uma página no processo de consolidação do carro no mercado brasileiro. Lembrando que o INPI é a instituição responsável pela análise e concessão de patentes no território nacional, e o registro no órgão é um ponto fundamental para a consolidação do lançamento efetivo de um produto industrial.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, não há nenhuma grande novidade no design registrado no INPI em relação ao conceito exposto pela Wolkswagen no Salão do Automóvel realizado em 2018 na capital paulista, entretanto, a conclusão da etapa do registro de desenho no órgão responsável indica que o lançamento do veículo deve acontecer em breve no mercado nacional.

Segundo o site do Auto Esporte, executivos da montadora alemã no Brasil informaram que a Wolkswagen vai divulgar “mais detalhes no momento adequado”. Também afirmaram que há um planejamento na empresa de lançar o novo modelo utilitário no mercado brasileiro “em um futuro próximo” com pequenas modificações.

Por exemplo, as barras de LED que interligavam os faróis por meio de uma grade provavelmente serão excluídas, as lanternas traseiras também devem sofrer alterações. As rodas e os pneus, provavelmente, também serão modificadas e reformatadas, abandonando o visual exposto no conceito.

Contudo, há algumas fontes do mercado que defendem a tese de que a fabricante só deve começar a comercializar efetivamente a Tarok no primeiro trimestre de 2021, pois a Wolkswagen estaria mais focada, nesse momento, em uma outra grande aposta: Nivus, um SUV compacto que também promete agitar o mercado nacional de automóveis.

Porém há boas chances da versão final da picape Tarok ser apresentada no Salão do Automóvel de São Paulo, que será realizado em novembro (do dia 12 ao 22) deste ano. Essa será a ultima etapa antes do lançamento comercial do utilitário.

O projeto da picape Tarok é uma grande aposta e vem recebendo muita atenção e investimento da Wolkswagen, que pensou e elaborou a Tarok para enfrentar diretamente a Fiat Toro.

A Tarok, exposta no Salão do Automóvel de São Paulo, tem capacidade de carga de uma tonelada. Já a Fiat Toro conta com a capacidade de 820 litros na caçamba, podendo carregar o total aproximado de 650 kg.

As medidas do automóvel seriam de 1,83 metro de largura, 1,67 metro de altura, 2,99 metros de entre-eixos e de 4,90 metros de comprimento, já a caçamba tem 1,09 metros de largura, 1,20 metro de comprimento, e 60 centímetros de altura. O Fiat Toro tem 2,99 de entre-eixos. 1,84 metro de largura, 4,94 metros de comprimento, 1,74 metro de altura.

No protótipo apresentado pela Wolkswagen, a picape Tarok contaria com versões com motor flex 1.4 TSI de 150 cavalos, com câmbio automático de seis marchas (a montadora também estuda o lançamento de uma versão 2.0 TSI com 190 cavalos), já a versão a flex da Fiat Toro tem o motor E.torQ Evo 1.8 com 135 cavalos (a versão a diesel 2.0 é equipada com o motor Multijet II com 170 cavalos, e um câmbio de nove velocidades).

A Wolkswagen também comercializaria a versão 4×4 da Tarok para competir com a variante 4Motion da Fiat Toro, que conta com a tração das quatro rodas. Contudo, a montadora alemã não deve lançar o modelo a diesel, disponível no bem sucedido utilitário da Fiat (a Wolks priorizaria – nessa disputa – a Amarok 2.0 Turbo Diesel com versões de 140 e 140 cv).

A exemplo de outros modelos da Wolkswagen (Jetta, Tiguan, Polo e Virtus), a picape Tarok também contará com a plataforma MQB, entretanto, pelo fato de ser um utilitário, a montadora ressalta que realizou ações para garantir que o modelo seja forte e robusto, fato evidentemente visível na Fiat Toro.

A plataforma MQB (Matriz Modular Transversal) tem muita força na indústria automobilística e vem sendo utilizada em larga escala não só pela Wolkswagen, mas também, por empresas como a Audi, a Seat e a Skoda.

A Matriz Modular Transversal (MQB) é uma estratégia desenvolvida pelo Grupo Wolkswagen (que gastou cerca de 60 bilhões de dólares nesse processo) para a construção de um design modular comum. A MQB possibilita a montagem de uma ampla variedade de veículos em diferentes fábricas, garantindo uma flexibilidade, agilidade e redução de custo de produção;

O design da nova picape Tarok é bastante arrojado e moderno, entretanto, não perde a vocação de um veículo formatado para o trabalho. Essa união interessante entre um visual contemporâneo – repleto de elementos inovadores – e a perspectiva utilitarista que garante uma excelente utilização laboral, que acabou sendo – inclusive – aprimorada pela Wolkswagen a partir de várias ações inovadoras.

A nova picape da Wolkswagen também apresenta soluções inteligentes que podem despontar como diferenciais no mercado: por exemplo, a introdução de tomadas de 220v e 110v, bem como, entradas USB na caçamba do veículo.

Outro exemplo interessante é o fato do modelo contar com uma divisória entre a carroceria e a cabine, permitindo a extensão do compartimento de cargas, o que facilitaria o transporte de objetos compridos. Basta abaixar a tampa para a caçamba ampliar sua profundidade em cerca de 1 metro. A tampa traseira também estará equipada com amortecedores a gás que garantirão que a abertura e o fechamento se tornem mais suaves.

Esse utilitário da montadora alemã se tornou um sucesso de vendas também pelo fato de estar praticamente isolado, nessa categoria, no mercado automobilístico, pois a sua principal concorrente ativa comercialmente é a Renault Oroch, que tenho um tamanho reduzido e um preço significativamente abaixo do registrado pela Fiat Toro.

Nesse cenário de pouca concorrência, a Wolkswagen pretende ocupar um relevante espaço com a Tarok. A direção da empresa alemã tem grandes expectativas em relação ao novo produto no mercado brasileiro e internacional.

De acordo com a Wolks, o modelo teria um forte potencial e poderia se adaptar em diversas regiões do planeta. Esse é mais indício de que o veículo não deve ficar restrito ao mercado nacional (apesar de ser o seu principal alvo).

Pablo Di Si, que é presidente da marca da América do Sul, disse – no último Salão do Automóvel de FrankFurt – que a Wolkswagen tem planos de comercializar três projetos brasileiros em escala global a partir dos próximos meses.

Há fortes expectativas no mercado de que a picape Tarok será um dos modelos que serão difundidos pela montadora para todo mundo (outro veículo que deve estar nessa lista é o SUV Nivus, junto com um outro modelo utilitário que ainda está incógnito).

A Tarok – que será totalmente produzida na fábrica da empresa localizada na cidade de São José dos Pinhais (PR) – deverá ser vendida principalmente no mercado brasileiro e europeu.

Há dúvidas sobre a comercialização da picape no mercado norte-americano, pois seria considerada pequena para os padrões de caminhonetes nos Estados Unidos (EUA), acostumado com utilitário com caçambas enormes.

Segundo a revista Quatro Rodas, a própria Wolkswagen afirma que ainda não há uma definição sobre a introdução da picape Tarok no mercado automobilístico dos Estados Unidos (EUA).

Entretanto, a presença do protótipo do modelo no Salão do Automóvel de Nova York teria o objetivo de mapear a reação do consumidores norte-americanos diante de uma picape versátil e menor.

O fato é que esse segmento do mercado nacional e internacional de automóvel representa um grande potencial de crescimento e, consequentemente, de alta lucratividade para as montadores que atuarem nesse espaço específico de mercado.

A baixa concorrência e ampla demanda dos consumidores, em especial, dos brasileiros por essa categoria de utilitários enche os olhos dos diretores das grandes montadoras automobilística, que demonstram o forte interesse em atuar nesse setor extremamente frutífero do mercado de veículos.

Tanto que, além da Wolkswagen, empresas como a Hyundai já vislumbram a introdução de modelos que farão diante da Fiat Toro, que atualmente detém uma fatia gigantesca das vendas nessa categoria.

Entretanto, a grande expectativa atual reside justamente no comportamento do mercado diante da chega da picape Tarok e o que isso representará na concorrência entre as grandes montadoras Fiat e Wolkswagen.

4 Shares:
Talvez goste